segunda-feira

Hoje é este o meu grande problema!


A noite vai acabar e o dia não vai tardar!
Ai, ai!

*
*

sábado

Awesome - I


Às vezes cruzo-me com frases lindas.
Esta é definitivamente uma das mais bonitas dos últimos tempos.

He stood for a moment while a war waged inside him...


*
*

sexta-feira

Sweet!!

Ok, acho que acabei de descobrir a pólvora!

Uma banana às rodelas
Uma maçã aos cubos
Um iogurte grego
Uma pitada de canela
e
Um fio de mel (porque me enganei a comprar os iogurtes e comprei naturais sem ser açucarados e aquela cena é amarga que dói!)

Tristemente, não tenho fotografia porque não consegui parar de comer para registar o momento, mas é tão bom!!

*
*

Let The Sunshine In



É impagável a sensação de ver que as coisas se começam a compôr aos bocadinhos.
O trabalho vai avançando, as cucas vão-se curando, o coração vai serenando e o sol vai brilhando com aquele quentinho que aquece até a alma.

É bom, difícil, trabalhoso, mas bom...

*
*

quinta-feira

...




If in your whole life you never had a change of heart about anything, raise your hand...

Anyone?

I thought so...


*
*

quarta-feira

Amizade e Amor

Do sítio do costume...


Como até nem tenho grande coisa para fazer (!!), estava aqui a pensar sobre a amizade e o amor - coisas ligeirinhas, portanto!
Houve uma altura em que achei que estes sentimentos, estados de alma, condições, o que lhes quiserem chamar, não tinham nada que ver um com o outro. Andava eu no nono ano, tive um namorado que me ofereceu por ocasião do Dia dos Namorados um quadrinho de madeira com uma boneca toda fofinha lá pintada e com a frase "Ter uma amiga como tu é a melhor coisa do mundo".
Fiquei tão indignada, tão triste, porque eu queria um quadrinho que dissesse que eu era a melhor Namorada do mundo... agora Amiga... pfff!
E ainda por cima gostava mesmo dele, achava-lhe um piadão e não estava nada à espera de ser classificada como "boa amiga".
Falta só dizer que quando andava no nono ano era muito parvinha. Pronto, está dito!

Agora, quando penso nestes dois sentimentos, acho-os muito próximos um dos outro, não exactamente dissociáveis, mas complementares, principalmente no que diz respeito às relações amorosas (sim, que também se pode amar um amigo, sem que tenha que ver com O Amor!).
Adoro pensar que o meu amor é meu amigo, que me vê como amiga dele, com tudo o que este estatuto implica. Não quero ser só amiga dele, nem quero que ele seja só meu amigo; há um mundo de coisas que queremos/podemos/devemos ser um para o outro. Mas a amizade é importante, sim. Para mim é.
Faz-me sentir segura. Faz-me sentir que tenho rede.
E se o Nuno agora me oferecesse um quadrinho a dizer que ter uma amiga como eu era a melhor coisa do mundo... bem, atirava-lhe com o quadro acima!

Alguma da parvoíce já se foi, mas há coisas que ficam!!

*
*



A Mil

Imagem retirada do Pinterest

Tinha acabado de dizer que ia tirar uma semaninha no início de Fevereiro para pôr a cinemateca em dia, as leituras em dia, o sono em dia...
E a vida é esta coisa fantástica e imprevisível que nos troca as voltas da melhor maneira possível!
Acho que não vou poder tirar mais que dois ou três dias - e no fim do que tenho para fazer até segunda, bem vou precisar deles - mas não me importo! Fiquei feliz com a recompensa de um trabalho difícil, entregue um bocadinho fora de horas, mas que ficou em condições e que (já) deu frutos.
Adoro surpresas e destas então!
Assim sendo... até segunda é incorporar a formiguinha trabalhadeira e... ao ataque!

*
*

segunda-feira

O Mundo

Pinterest 


Não consigo tirar da cabeça como deve ser bom poder morar em vários sítios.
Gostava de ter dinheiro (muito dinheiro) para fazer muitas coisas. E se tivesse dinheiro (muito dinheiro) teria uma casa em cada canto do mundo. Não precisava de ter casarões grandes, bastava-me ter em Estocolmo, em Wellington, em Roma, em Nova Iorque, em Paris, em Pequim, enfim, por aí, apartamentos como este que tenho em Braga. Pequeno, à minha (nossa) medida, perto de tudo. (Aliás, em muitos destes sítios bastavam-me umas águas furtadas pequeninas, com vista para os telhados e luz a rodos e era feliz - mais feliz.)
Gosto de estar aqui, gosto das raízes e dos amigos que aqui tenho, mas às vezes acho que esta não é a minha terra- e quando vou à minha terra, também já não me sinto a pertencer lá.
Não pertenço a lado nenhum e podia ser feliz em qualquer parte. Gosto de novidade, da ausência de rotinas e ritmos, do desconhecido e gosto da sensação de começar tudo de novo. Sou assim em quase tudo - até no trabalho.
Às vezes angustia-me pensar que vou passar o resto da vida em Portugal, quando há tanto mundo lá fora para ser visto e vivido.
Acho-me grande para um sítio tão pequeno.

*
*


quinta-feira

Esta Coisa dos Blogs

é engraçada.
Uma pessoa quando se senta a escrever sobre alguma coisa, escreve de acordo com as suas opiniões, experiências, sobre a maneira como o mundo aparece aos seus olhos. Eu pelo menos, não escrevo para ninguém em especial; também não escrevo só para mim, porque para isso tenho cadernos em casa, e gosto de saber que sou lida, que os meus amigos entram um bocadinho mais na minha cabeça sempre tão cheia de parvoíces.
Quando escrevo, não o faço com o intuito de mudar a visão de ninguém sobre determinado assunto, não procuro provar que a minha maneira de ver as coisas é que é a correcta e que as restantes são "inferiores". Como tantas pessoas nesta blogosfera fora, escrevo de acordo com a minha perspectiva, que pode até estar errada, mas é a minha, aquela que conheço melhor.
Por isso acho engraçado quando há pessoas que parecem ficar indignadas e se sentem obrigadas a expressar uma opinião diametralmente oposta ao que leram algures, só porque o que leram não se enquandra no que pensam.
É aí que está a beleza e democracia da coisa: todos podemos ler, escrever, opinar, contestar o que se publica neste maravilhoso mundo virtual.
A diversidade de opiniões sempre foi boa, salutar, é com ela que as pessoas e sociedades evoluem, desde que a par da diversidade exista também respeito.

*
*

terça-feira

Quando a Beleza Deixa de o Ser


Ora bem, diz que esta cachopa se chama ErinWasson e que é modelo...
Antes de qualquer explanação, vamos ver o que diz o dicionário sobre este conceito:

Modelo -
nome masculino
1 - Imagem ou desenho que representa o objecto que se pretende reproduzir;
2 - Pessoa exemplar, digna de ser imitada;
[...]
6 - Protótipo de alta costura


Posso ser eu que estou a ficar um bocdainho canastrona, mas esta modelo, que deve ser uma jóinha de moça, muito amiga do seu amigo, não estará um nadinha magra de mais? Isto é bonito? É esta a imagem que se pretende reproduzir, é esta uma figura digna de ser imitada?

Ñão há ninguém que dê um BigMac à rapariga?!
Sou só eu que acho isto de um indiscritível mau gosto? (E já nem vou falar do protótipo de alta costura que ela tem vestido, porque a verdade é que não entendo uma ponta d'um corno de alta costura, para mim é mais Zara, H&M e Mango!)

Já acho há muito tempo que a imagem de feminilidade que nos tentam impingir a todo o custo está muito desfazada da realidade, mas para uma mulher chegar a este ponto deve haver qualquer coisa muito errada na sua cabeça, e nos espelhos lá de casa.
Tenho pena desta auto-violentação em nome da moda, da afirmação pessoal, dos padrões irreais e não concordo nada com aquela máxima que diz que nunca se é suficientemente magro.
Está aqui a prova em contrário.

*
*

segunda-feira

Damn...

Pinterest
Doem-me mesmo muito as costas...

E achei que tinha de partilhar isto convosco!

*
*

sábado

Ser Verde



No outro dia acabou-se-me o chá verde. E eu sem chá verde não sou ninguém!

Vai daí e comprei uma caixinha no Pingo Doce. Ora, além de estar a dar dinheiro à concorrência, além de ser uma empresa com as estratégias de administação que todos conhecem, além de a loja em questão ser do mais estranho que há - as prateleiras estão dispostas em espinha (quem é que se orienta numa loja assim?!) - o puto do chá vem em pacotinhos de plástico!
Nos dias de hoje, em que a nossa consciência ecologista devia ser suficiente para nos levar a fazer boas escolhas, não é aceitável que uma superfície de grandes distribuição nos contrarie a determinação e embale os seus produtos em plástico, quando o papel teria o mesmo efeito e seria muito mais amigo do ambiente.

Por isso, quando este acabar, não compro mais ali. Compro no Continente, que é metade do ganha-pão cá de casa, é mais barato e vem embalado em papel.

*
*

sexta-feira

Contrariar...

Imagem tirada do Pinterest


Há muita gente que acha a sexta-feira 13 um dia aziago.
Há muita gente que acha que, pelo contrário, é um dia auspicioso.
Depois há aqueles como eu que não são supersticiosos, mas não passam por baixo de escadas não vá alguma coisa cair, têm gatos pretos em casa e uma mãe que faz anos a 13. Elimina logo um bocadinho a superstição, não é?

Pois hoje, sexta-feira 13, há coisas muito importantes a acontecer a pessoas muito importantes para mim.

E hoje estou naquela metade de gente que acha que este é o dia mais sortudo de todos os dias.
Ainda que a boa fortuna se possa manifestar de diferentes formas, hoja dava-me jeito que Ela me fizesse a vontade!

*
*

quinta-feira

Falta de Chá

Imagem rertirada do Pinterest


Ando aqui há que tempos entalada com uma cena e como não sou pessoa de reagir bem a entalanços, vou ter que verbalizar. Na impossibilidade de verbalizar a quem realmente merecia (sou demasiado bem educada para isso) lanço as minhas postas de pescada aqui, que foi exactamente para isso que criei esta chafarica.

As pessoas quando não sabem receber em casa não deviam nunca, jamais, em tempo algum ser anfitriãs do que quer que fosse.
Acho de um profundo mau tom receber gente em casa por obrigação e depois não fazer o mínimo esforço por disfarçar, por fazer as pessoas sentirem-se bem-vindas.
Compreendo que por vezes é cansativo, trabalhoso, dispendioso até, mas quando não se mexe uma palha para nada, quando há três ou quatro pessoas a ajudar e quando a despesa foi distribuída (desigualmente) pelos convidados, não entendo o mau humor, as trombas e o não saber estar.
Que muita gente tem falta de chá já eu sei, é coisa que vem no sangue, mas que alguém vista o pijama às oito da noite e se vá deitar no sofá da sala coberto com uma mantinha quando os convidados ainda estão à mesa, parece-me de uma falta de educação tremenda. Inominável.

Eu não sou rancorosa, esqueço-me com facilidade daquilo que me dizem (a não ser que me magoe muito), mas costumo ter boa memória para os actos de má educação que presencio. Não sei porquê, as imagens ficam-me cravadas na psique, enquanto as palavras ditas se vão evaporando com o tempo.

E ainda vou demorar muito tempo a esquecer o que senti num destes dias.

*
*

quarta-feira

Simplesmente Felizes




Tenho mil coisas na cabeça,  muitas delas que não são minhas, mas que me preocupam ainda assim.
Porque uns não andam bem do coração, outros não andam bem da tola, outros ainda não andam bem com o corpo. Estão todos a tentar resolver-se e eu preocupo-me com corações, casamentos, trabalhos, operações... vidas.

Devia ser obrigatório haver um manual de instruções (ou um Manuel de instruções, como dizia uma amiga!!) que ensinasse as pessoas a agir bem em todas as situações difíceis da vida. Que as ensinasse a manter os pés na terra. Do estilo: Quando A acontece, aplicar resolução K...; Se K não resultar, aplicar K+1...
Era tão bom, as coisas resolviam-se, ninguém se magoava e éramos todos simplesmente felizes.

Entretanto, com isto tudo, a minha capacidade de concentração anda nos mínimos, distraio-me até com um fio de cabelo. E dói-me a cabeça.

*
*

terça-feira

14º on a January Morning!



Ai pá, está tanto sol, céu azul, uns agradáveis 14º e eu aqui fechada a trabalhar!

Já sei que é bom (óptimo) poder dizer isto, bem pior está que não tem trabalho, mas porra, pá, se a vontade já é pouca, com este tempo então...

*
*

segunda-feira

Ahahaha!

*
*


Só mesmo para rir!

Há uns dias escrevi isto:
http://comecarbemepreciso.blogspot.com/2012/01/pois-claro-por-acaso-esperava-eu-outra.html

E a resposta foram 55€ de multa por atraso no pagamento do selo do carro... em 2009!!

F*da-se, pá!!!!!

*
*

Arrgghh!

Imagem retirada do Pinterest

Devo estar com o pior ataque de sinusite de que há memória.
Há mais de uma semana que tenho dores de cabeça constantes,  naso-faringe a picar, olhos congestionados e dores no nariz.
Apetite: zero. Vontade de comer: zero; nem porcarias me apetece!
Estou farta disto!

*
*

sábado

Tão Famosos Que Eles São...

Eu acompanhei mais ou menos esta segunda edição da Casa dos Segredos e de entre muitas coisas que questiono acerca deste tipo de programas, nenhuma me faz tanta impressão como a ambição (ou falta dela) dos concorrentes.
Durante o tempo que o programa durou, ouvi-os falar inúmeras vezes sobre como esperavam conseguir capitalizar à pala do sucesso do programa, fosse em trabalhos na televisão, na moda, uma oportunidade na música ou as tão famosas "presenças".
Depois ouvi num programa de domingo que aquele espectacular exemplar do tuga burgesso que dá pelo nome de "pai da Fanny" também andava a fazer "presenças".
(Já nem questiono a correcção gramatical da coisa, porque cheira-me que "presenças" não é coisa que se "faça", talvez se marque ou assegure, mas adiante!)

E fiquei a pensar...
Tudo bem que diz que o senhor ganhava 650€ por cada noite que passava na discoteca a tirar fotos, dar beijinhos e autógrafos (- Um beijinho do Fernando, Nando para os amigos, para o resto do povo: O pai da fanny - wtf?!!), mas que raio de auto-estima e dignidade tem esta gente para ir para uma discoteca exibir-se como se fosse uma obra de arte que merece admiração? Qual é a piada de estar em cima de um palco, de uma coluna de som ou seja lá onde for que os "famosos" se empoleiram, para que as pessoas os possam ver e tirar fotos? Como se tudo não passasse de um freak show como os que havia nos circos dos anos 40 e 50?
Acho tão degradante.
E quem é que vai a uma discoteca para "ver" estes personagens fugazes que daqui a seis meses já ninguém se lembra quem são? Para quê? Para tirar fotografias que mais tarde se espetam nos murais do Facebook?!

Não entendo a ambição das pessoas que sonham ser "famosas" sem terem nada de relevante a oferecer aos outros. Quando cantam bem, escrevem bem, representam bem ou tocam bem um instrumento, até entendo que chamem a atenção do público e considero que o reconhecimento é merecido. Mas quando as pessoas não são mais que intervenientes num programa de entertenimento (onde nem sequer mostraram grande talento), o reconhecimento deve-se a quê?

É estranho...

*
*

quinta-feira

Tão Fofos...


Os senhores da NetCabo são uns fofos, pá.
Nunca vi empresa com maior falta de civismo e respeito para com as pessoas.

Cancelei o contrato em setembro porque me cansei dos oito anos de serviço de Internet merdoso que eles forneciam em Braga.
Vai daí, aqueles queridos cancelaram-me a conta de e-mail, sem um aviso, sem um período para recuperar e-mails, para avisar contactos, nada!
Quando questionei ao telefone como era isto possível, respondeu-me o menino da assistência que esta informação fazia parte do contrato que assinei quando o serviço começou a ser fornecido. Um fofo também ele!

De modos que é assim, o e-mail que usava para os contactos de trabalho foi cancelado sem mais nem ontem e agora ando feita barata tonta a pescar endereços e a avisar as pessoas.

NetCabo? Nunca mais.
Apesar de serem uns fofos, cheira-me que lá vai mais uma reclamaçãozinha!
Eles também me devem adorar! É que eu também sei ser fofa!

*
*

quarta-feira

Pois Claro! Por Acaso Esperava Eu Outra Coisa?!!



Claro que quando se decide que se vai poupar mais, num só mês já lá vão 135€ para o conserto da máquina da loiça; 136€ para a bateria do carro e 378€ para um esquentador (lindo de morrer!) porque o velho decidiu deixar de esquentar!
O frigorífico anda a fazer uns pi-pi-pis estranhos, o desktop está a precisar de arranjo e possivelmente de ser formatado e eu só me questiono: O QUE É QUE VEM A SEGUIR?! HÃ?!! (e morro de medo de ter a resposta!)

Sim, é como diz o meu quadro favorito... é manter a calma e seguir para bingo!


(grande, grande suspiro...)

*
*

Esclarecimentos à Nação - II

Imagem tirada da Net
Com grande pena minha, que adorava ter uma gramática destas em casa.

Há muito que esta rubrica não surgia por aqui, mas de hoje não passa!

Sei que pode parecer estranho, mas há algumas palavras na língua portuguesa que não se dizem em determinados contextos.
E não estou a falar de palavrões.

Por exemplo, o plural instintivo de "havia" (com o sentido de existir) não é, ao contrário do que vulgarmente se pensa, e se diz, "haviam".

Quando queremos dizer que em cima da mesa existiam/estavam vários bolos , dizemos:

Em cima da mesa havia vários bolos . E não o vulgar (e incorrecto) "Haviam" vários bolos . A formação do plural dá-se no complemento directo - nos bolos.

O único contexto em que a palavra "haviam" se utiliza correctamente é quando se trata da terceira pessoa do plural do pretérito imperfeito do verbo Haver.

Eles/Elas haviam de comer (os bolos!) mais tarde.

São detalhes simples dentro da riqueza da nossa gramática, mas para quem ouve, estes detalhes dizem muito da sensibilidade e correcção com que tratamos a Língua Portuguesa.

Falar bem não custa nada. E é bonito.

*
*




segunda-feira

Poupar?... Onde?

Toda a gente diz que é preciso poupar, que 2012 vai ser o ano das grandes restrições, dos grandes sacrifícios e da grande consciencialização de que o consumo desenfreado não é modo de vida para ninguém.
Isto está tudo muito bem.
(cá em casa) Podemos cortar nos restaurantes, nas idas ao cinema, nas compras de roupas e gadgets de que na verdade não precisamos e talvez consigamos poupar um pouco mais, é verdade.
Mas se a electricidade vai subir, o gás vai subir, a água, o IVA e o camandro vão subir... lá se vai a poupança.
E as pessoas que não têm por onde poupar, porque já não vão a restaurantes, não vão ao cinema e não compram roupas e outras cenas de que precisam? Essas já não conseguem poupar agora, como vão conseguir fazer frente ao que se avizinha?
Enquanto estudava, trabalhava num supermercado e foram muitas as vezes que fiquei com os olhos cheios de lágrimas porque havia pessoas que compravam umas embalagens de restos de carne e ossos, que deviam ser para cães, porque era a única carne a que tinham acesso...
Sei que numa altura destas andamos todos a fazer contas à vida e a olhar para os nossos próprios bolsos, para o nosso extrato bancário, mas se abrirmos um pouco os olhos não é difícil ver à nossa volta quem precise de ajuda. E isto deixa-me cá com um aperto no peito que nem sei colocar em palavras.
Não consigo imaginar como é viver sem ter a certeza se o dinheiro chega para tudo (ou pior, tendo a certeza que não chega).
Tenho pavor deste futuro negro que nos pintam de cada vez que ligo a televisão, mas sei que não devemos viver com medo, devemos ser optimistas, trabalhar ainda mais, para daqui a dois ou três anos termos a recompensa de todo o esforço.

Por isso, nestas alturas, o lado egoísta entra em acção e só peço muita cabecinha para saber o quê e onde poupar, no meu orçamento.
Pode ser que sobre para ajudar alguém...

*
*

Como Dizia a Mel: Para Mim e Para Vocês:

Diz que disse o Chico Xavier. Não o conheço, mas gostei.
Vamos lá então escrever coisas novas!

*
*