quarta-feira

Instantes



Às vezes há coisas pequenas que me comovem; uma palavra ouvida de fugida, uma música que me tranquiliza, uma frase que me fica na cabeça durante dias a fio, um sorriso inesperado, um raio de sol quentinho, um gesto de carinho visto num filme que faz as lágrimas saltarem cá para fora sem aviso.
Gosto tanto, mas tanto destes instantes, desta simplicidade que me mostra as coisas realmente boas da vida.
Gosto de coisas duradouras, mas também gosto muito de coisas fugazes, breves, intensas.

É a minha colecção mais importante, esta dos pequenos instantes.
Faz-me sentir viva, faz-me viver, faz-me esperar pelo próximo pequeno e delicioso momento!

*
*

segunda-feira

The Good, The Bad, And The Ugly!



Tenho muita curiosidade em saber o que as (poucas!) pessoas que me lêem e não me conhecem pensam de mim.
Não que me preocupe o que pensam verdadeiramente, podem achar-me parva, arrogante, desinteressante, vir aqui uma vez e não voltar mais, não é isso que está em causa, mas sim o facto de não saber como quem não me conhece me vê. Sei que por vezes posso ser inconveniente, insensível, sei que faço juízos de valor, que nem sempre olho para os vários lados de uma mesma questão, mas também sei que sempre que escrevo o faço com verdade, que não defendo opiniões em que não acredite, que não escrevo para agradar a ninguém.
Estava a falar disto com uma amiga querida e ela disse-me que ler-me é como falar comigo. Que escrevo como falo e que é engraçado reconhecer-me através da escrita.

Quem me conhece por aqui, conhece um pouco de mim, mas não tudo o que sou.
E gostava de saber como me vêem, the good, the bad, and the ugly!

*
*

sexta-feira

Binómios homem-animal!!

quinta-feira

Mudar, Renovar, e Coiso!



"Tu deves ter bicho carpinteiro!"
Foi o que me disseram quando partilhei alguns planos que tenho para fazer alterações cá em casa.

Gosto muito da minha casa, que é pequenina e arranjadinha. Assim na loucura, gostava que tivesse mais dois quartos, um terraço e uma garagem fechada, mas estes dois quartos que temos chegam bem para nós, que também somos só dois, já que os felinos não ocupam grande espaço!
Mas mesmo assim, ando sempre a pensar em fazer melhorias, em pintar qualquer coisa (paredes, molduras, prateleiras), em construir coisas, em melhorar candeeiros, almofadas e tapetes, em mudar a disposição dos móveis, em arranjar maneiras de arrumar mais qualquer coisa nas despensas... Enfim, estou em processo evolutivo permanente. 
Neste momento tenho uma lista jeitosinha de coisas que quero fazer, sendo que o quarto (que não é alterado vai para cinco anos - creeedo!!) será o mais afectado.
Como o parceiro cá de casa não é tão adepto das mudanças como eu, tudo tem de ser feito de-va-ga-ri-nho. Há que pintar/recolocar papel de parede, colocar cortinados numa parede inteira para compensar uma janela tristemente descentrada a um canto da parede, forrar novamente a cabeceira da cama, arranjar novos abajures para mesinhas de cabeceira e tecto, tirar o quadro grande e pintar a parede, arranjar uma maneira de colocar a tv na parede (tendo em atenção as canalizações e fios eléctricos da parede que o quarto partilha com a cozinha), colocar prateleiras/gavetas novas no roupeiro, reestruturar o bengaleiro de parede... Pois, é como disse a lista goes on and on e tudo tem de ser feito com muita ponderação e paciência! E já nem falo na casa de banho do quarto, porque não saíamos daqui hoje!
Gosto de ter coisas para fazer, de ter por onde melhorar e no dia em que esta casa não tiver mais sítio para evoluir acho que me vai dar uma coisinha ruim!

*
*

quarta-feira

Palavras Favoritas - III

Braga


Apesar de toda a embirração que fui acumulando em relação à língua alemã (por motivos que não vêm muito ao caso, mas que pode ter tido que ver com as duas cadeiras de Literatura Alemã que nunca consegui fazer!) há uma palavra que adoro e que raramente posso usar.
Entra definitivamente na minha categoria de palavras preferidas:

- Zeitgeist [ˈtsaɪtɡaɪst] - O espírito do tempo, aquilo que caracteriza uma era, um determinado período temporal.


Acho tão bonita.

*
*

segunda-feira

Ser Mais Feliz Assim



Adoro a minha vida.
Os meus momentos são maioritariamente felizes; apesar de também ter sombras e instantes mais negros, quando  me perguntam se sou feliz a minha resposta instintiva é dizer que sim, sou feliz. Porque é o que sinto.
Tenho inseguranças como toda a gente, aos mais variados níveis: Será que vou ser sempre amada como sei que sou agora? Será que vou continuar a ter trabalho? Será que toda a minha família continuará a ser saudável? Será que um dia vou conseguir perder este pneuzito parvo que tenho à volta da cintura?
Isto não chega para me tornar numa pessoa ansiosa ou amedrontada. Não vivo com medo do futuro, acho que este vai continuar a ser brilhante, que as grandes tragédias e sofrimentos me vão sempre passar ao lado, que tirando os percalços terríveis mas naturais da vida, como por exemplo a morte dos meus pais - em que nem consigo pensar - , tudo me vai correr de feição. E quando digo que "me vai correr de feição" englobo naturalmente aquelas pessoas que amo, porque se as coisas não correrem bem para elas, também não correm para mim. O meu optimismo é de tal forma que chega para contagiar a vida dessas poucas dezenas de pessoas que realmente ME importam.
É incontestável que o que acontece na vida dos nossos acontece na nossa vida também. É verdade que neste momento nem todas as minhas pessoas estão tão bem como eu gostaria que estivessem; enfim... há uma série de coisas que podiam ser melhores, que me ensombram alguns momentos, mas que tenho a certeza que vão melhorar, que vão "consertar-se".
Não sei se este meu optimismo é uma atitude de avestruz, mas prefiro pensar que pensando no melhor, preparando-me apenas para o melhor, vivo mais feliz, aprecio melhor os bons momentos e não sofro por antecipação com nada.
Se existir realmente um livro onde a nossa vida está registada, prefiro acreditar que na minha vida vai haver mais coisas boas do que menos boas.
E sou mais feliz assim.

*
*


quarta-feira

It's Ok to Stop

Imagem retirada do Pinterest


As pessoas (eu incluída) nem sempre dão o devido valor ao tempo.
O bem que me fez parar uns dias. Não fazer nada que me exigisse grande concentração. Tratar de coisas da casa, tipo carochinha, tratar de mim e vegetar!
Já sei que nem toda a gente tem possibilidade de fazer isto, mas também nem toda a gente trabalha as horas que forem precisas (10-12-14-16 por dia) para acabar um trabalho, sozinhas em casa, sentadas em frente ao pc, com dores em tudo quanto é osso, tendão e músculo. De dia e/ou de noite.

Às vezes sabe bem parar, fazer um reboot, quebrar a rotina e afastarmo-nos de tudo (TUDO)  o que nos pesa.

Hoje é dia de regressar ao próximo livro, de organizar o trabalho, meter o IVA (sim, guardo para o último dia!) e quem sabe ainda conseguir encaixar um filmezito.
Sabe bem regressar. Porque pude parar.
Quem me dera poder fazer sempre isto!

*
*


segunda-feira

Falar ou Não

Imagem retirada do Pinterest


Nós não somos todos iguais.
No outro dia dizia a uma amiga que ela quando anda mal não fala, guarda tudo lá dentro, até não aguentar mais e que isso não era bom.
Porque não sou nada assim. Se me doer a ponta da unha toda a gente sabe do meu drama e sou capaz de fazer um verdadeiro tratado à conta da calamidade.
Quando cheguei a casa estava a falar com o Nuno e disse-lhe que não entendia por que motivo as pessoas não falavam do que as incomodava ou magoava.
Com o bom senso que já lhe é característico, perguntou-me:
- Mas por que é que tu achas que toda a gente se sente melhor falando? Já pensaste que nem todas as pessoas são como tu?
E isto calou-me.
Porque não, nunca pensei que pode haver quem lide bem com as suas merdas sem ter de falar delas até à exaustão.
Como o meu grande alívio e purga se faz falando, custa-me entender que exista quem se resolva de outros modos.
É uma das coisas que tenho de trabalhar. Não achar que todas as pessoas sentem da mesma maneira.

*
*

quarta-feira

Piegas!

Eu peço imensa desculpa se a opinião seguinte fere susceptibilidades, mas mesmo assim vou escrevê-la.

Não sou social-democrata, não sou socialista, nem sequer bloquista ou comunista. Em termos políticos não tenho ideologia. Não acredito em partidos.

O PM quando utilizou a palavra "piegas" não estava a chamar piegas aos portugueses, mas mesmo que estivesse tinha tido toda a razão.
Porque só um povo piegas, mandrião e mal habituado anda a reclamar pelos cantos porque não vai ter tolerância de ponto no Carnaval, esse feriado mítico e tão importante para a vida social do país.
É pá, tenham santa paciência!

Quando é que se convencem que as coisas como estavam não estavam bem? Que é preciso mudar, alterar comportamentos e mentalidades para esta merda mudar? (Sobretudo mentalidades.)

Não concordo com a retirada de subsídios a ninguém, funcionários do estado ou privados.
Agora feriados? Só não concordo com a abolição do dia feriado no Natal (porque embora o estado português seja laico, a grande maioria da população é católica e o Natal sim, é uma tradição), mas o resto dos feriados podiam voar todos. Enquanto uns e outros fazem pontes e não trabalham, o país perde dinheiro! Não é difícil de entender.
E para descansar?
Para descansar existem as folgas semanais e as férias. E quem quer ter fins-de-semana grandes e fazer pontes, é simples, mete dias de férias!

Agora, por amor de Deus, deixem de se lamuriar por tudo e por nada, desalapem a peidocha do sofá e toca a trabalhar, f*oda-se!

*
*

terça-feira

dr oz

 Vamos fazer de conta que eu sou o colibri!!


Há pouco estava "práli" o Dr Oz com uma treta do caraças a dizer que temos que encarar os nosso piores medos, fazer-lhes frente e ultrapassá-los. Diz ele que é preciso enfrentá-los, estar mesmo na situação que nos causa pavor ou colocarmo-nos à frente da coisa que nos assusta para a conseguirmos vencer...

Tá bem abelha!

Para isso, tinha de entrar num poço cheio de cobras e fazer-lhes festinhas!
É já a seguir...

(Só de escrever e de me imaginar nessa situação fiquei com uma certa borboletagem na barriga... Livra!)

*
*

sexta-feira

Citação

  

As palavras não são minhas, são de uma boa amiga, mas podiam ter saído da minha boca (dos meus dedos) de tão verdadeiras que são...

Nunca, na minha vida, passei por uma fase tão cheia de coisas na cabeça. Parece que vai explodir o tempo todo. Estou sempre a pensar em várias coisas ao mesmo tempo, coisas boas e coisas más. Overload, mesmo. 
A minha capacidade de concentração nunca esteve tão diminuta. Imaginem que olham para um carro, um carro qualquer na rua, e pensam em sete coisas sobre aquele carro em dez segundos. O carro simplesmente não passa despercebido, nunca. E ao lado do carro está outro carro.

É isso...

*
*