domingo

Amor é

Vermos o Fashion Police juntos e rirmos como uns perdidos com as parvoíces de uma octogenária!

*
*

quarta-feira

Soltas, tão soltas que são quase desconexas - como eu...



Diz que a culpa é da primavera, eu cá acho que é do cansaço.

Ando com os sonos completamente alterados, não durmo uma noite como deve ser há quase duas semanas. Há noites em que são três, quatro da manhã e eu às voltas na cama a pensar em tudo e mais alguma coisa (principalmente em coisas inúteis e sem interesse).

Tenho as mãos e os antebraços num estado que nem consigo adjetivar; os ombros então, não há palavras que se adequem.
E lá vou continuando, devagar, devagarinho; tão devagarinho que começo a ficar irritada e impaciente.

Resta-me o consolo de saber que no fim destas (intermináveis) páginas vou poder descansar duas semanas, mas parece que nem isso é motivação suficiente para que consiga ser mais rápida. É tão frustrante... E o livro é mesmo muito bom.


Tive de arrumar o postal da Rita, porque passava o dia a olhar para ele e a sentir as lágrimas a chegarem-me aos olhos - é tão estranho, tão estranho...


Os meus dias têm sido solitários. Sinto-me cada vez mais sozinha, mais isolada e só quando o Nuno está em casa é que estou bem.

Ando a ler três livros aos mesmo tempo - coisa que detesto fazer, mas que encaixa perfeitamente nestes dias inquietos e inconstantes.

E ando terrivelmente frustrada, não sei se já disse.
Preciso de sacudir esta apatia, preciso de voltar ao senhor das agulhas e choques e esquecer o que me dói!

E preciso mesmo de aceitar que isto é um ciclo - tudo isto; o trabalho e a vida, os dias e as noites. Não quero transformar-me numa velha chata que tem sempre uma dor qualquer a massacrar-lhe o corpo ou a alma - mesmo que seja verdade.

...

*
*

Pois...

*
A minha relação com as redes sociais, com a blogosfera e com o mundo virtual nunca foi pacífica. Se em algumas alturas me apetece partilhar tudo e mais alguma coisa, outras há em que uma simples fotografia partilhada no Instagram me causa urticária.
Neste momento estou em fase de reclusão. Não é por falta de tempo, não é por falta de assunto, é manifestamente por falta de paciência.
Estou farta de blogues cheios de publicidade, como estou sem paciência para choraminguices porque alguém comeu uma carcaça com queijo e agora ficará eternamente gorda. Não quero saber dos quilómetros que correm, do que fazem ao fim de semana, das viagens que fazem nem de quantas vezes por dia comem sushi.
E estou saturadissíma de citações inteligentes e frases motivadoras que não dizem coisa nenhuma.
Por isso, faço como a Melissa: leio dois ou três sítios que me interessam e passo longe do resto.
Assim, looooonge!

Como também tenho noção de que não me apetece partilhar nada relevante com o resto da humanidade, fico longe do editor de texto e remeto-me ao silêncio.
E por enquanto é assim.





*
*