quarta-feira

Porque acredito em recomeços!

DIY free download 2016 calendar ☆:





Este deve ser o último texto que aqui publico em 2015. 
Não sei se muitos ou poucos se seguirão, porque continuo a questionar a utilidade e o valor que um blogue tem para mim. Às vezes acho importante escrever e fazer-me ouvir, outras vezes acho que é absolutamente inútil, porque quando acabo de escrever, fico tão feliz, triste, excitada ou vazia como estava antes de começar. Questiono a necessidade de me mostrar, de contar coisas às pessoas que não conheço (na sua maioria), questiono o desejo de colecionar comentários ou likes, como se fossem eles que validassem as coisas que por aqui vou expondo. Esta questão em particular dá-me muito a volta ao miolo. Por que motivo é importante que os outros validem os nossos sentimentos, as nossas experiências, as palavras que deitamos cá para fora? Será que só nos sentimos reais depois de partilharmos e de termos reações de terceiros?
Pois, não sei. Fica para pensar em 2016.

Sei que este ano foi difícil para mim. 
Começou logo em janeiro com a morte da Kika, depois do Simas, depois estive doente, depois... depois... sinto que este ano foram umas atrás das outras e só agora, nestes dois, três últimos dias é que sinto que as engrenagens estão a alinhar-se novamente. 
Claro que também aconteceram coisas boas, nasceu o meu sobrinho Miguel, chegaram o Pipo e a Camila, recebi trabalhos muito bons, palavras elogiosas e confiança da parte das pessoas que trabalham comigo, tive bons amigos ao meu lado e tive sempre presente, a aparar-me todas as quedas, o melhor homem que conheço, o que mais amo no mundo e que sei que também me ama de forma igual. (Um pequeno parêntesis: ele vai dizer que não, mas eu sou tão chata, tão mimada, tão "criativa na asneira", vamos dizer assim, que questiono a sanidade mental dele quando diz que gosta de mim! Deve ser porque cozinho muito bem!)
2015 foi difícil mas está a chegar ao fim e a sensação que melhor me descreve nestes dias é alívio. Um profundo e estonteante alívio.
Tenho a cabeça limpa, preparada para os recomeços que cada ano promete.
Tenho muita coisa para fazer, muita coisa para mudar, reconstruir, mas isso é bom. Gosto de desafios.
Ainda tenho uma gaveta ou duas para arrumar, mas nos últimos dias pus tanta coisa em ordem, que a perspetiva é francamente animadora!
Estou quase a ser um belo e organizado contador, daqueles com cornucópias em lacre e puxadores de jade, lindo, lindo. 

Em 2016 chego lá!

Bom Ano Novo para todos! Vai ser um ano do caraças!

*
*

quinta-feira

Zzzzz...

Same here:




E pronto, alguma volta as coisas precisam de levar, não é?
Nada como um corte de cabelo, umas unhas bem pintadinhas e um creme novo para os olhos, para ver se o aspeto cansado se vai.
Ah, e o compromisso de dormir mais e melhor, que ninguém me tira da cabeça que o meu mal é sono!

...

*
*

quarta-feira

Overthinking

Yes, I wish I could shut my brain off sometimes. When I try to calm my mind and make it take a break, it makes me almost go into a panic attack type feeling. Hate it.:



Não me lembro de outra altura da minha vida em que me tenha sentido tão insegura como agora.
Parece contrariar a tendência que normalmente se associa aos 40 anos; sempre ouvi dizer que a segurança vai crescendo porque nos vamos sentindo cada vez mais confiantes, mais conscientes do nosso valor e do lugar que ocupamos na escadinha da sociedade e no coração dos outros.
Mas ultimamente não me sinto assim.
Penso de mais, penso em tudo, e questiono o meu valor como profissional, como amiga, como mulher.
Isto é um problema enorme, porque ando sempre com medo, sempre de pé atrás, sempre a ver quando as coisas correm mal.
Às vezes pareço bipolar, ou tripolar, nem sei bem. E juro que não era nada assim...

*
*

sexta-feira

Uma janelinha, e outra, e outra...



É maravilhoso assistir às coisas a encarreirarem-se pouco a pouco, umas atrás das outras, como se tivessem um fio invisível que as vai puxando e trazendo para cima.
É bom ver que um ano que foi menos fácil se está a redimir, para nos dar um fim em beleza!

E é muito boa esta sensação de renovação, de ansiedade pelo que ano que está quase a chegar e que promete ser melhor.
Eu e a Melissa já decidimos que 2016 vai ser um ano do caraças, vai ser tudo em bom, e eu tenho cá para mim que este tipo de decisões são meio caminho andado para a concretização!

*
*